quarta-feira, 4 de março de 2009

Amanhã ou Depois.



Na minha relação com a minha mãe muitas coisas são complicadas. Tenho notado que ao longo dos anos a nossa relação que era muito afetiva por parte de nós dois foi se acabando. As manifestações de carinho acontecem apenas por parte dela e mesmo que ela seja carinhosa eu ainda me sinto incomodado. Talvez tenha acontecido em função da definição da minha personalidade que é muito diferente da dela. Não gosto disso e acho que sou muito injusto com a minha mãe.

 

Por um tempo fantasiei que as coisas entre nós dois poderiam melhorar caso ela soubesse da verdade sobre minha sexualidade. Muitas mentiras e omissões que eu fazia a respeito de mim tendo a sexualidade iriam desaparecer e eu ficaria mais tranquilo, mais sereno. Fiquei mais tranquilo sim e também mais sereno, mas não atingi o objetivo que quis. Continuo agressivo, no entanto agora é diferente.

 

Certamente fico irritado pela forma como minha mãe age diante da situação. É degradante a forma degenerativa como minha mãe conduz a situação sobre a minha sexualidade. Sem sombras de dúvida ela gosta de mim, mas a felicidade dela está em me ver heterossexual, o que é impossível. Ela não sabe, ela é inocente quanto a isso, ingênua, mas ela me magoa muito quando deseja e reza ao Deus dela para que isso aconteça.

 

Abstenho-me de fazer muita coisa que eu imaginei que poderia fazer, e posso fazer, quando tivesse saído do armário. São degradantes as perguntas, a comotion (leia-se choro e chantagem sentimental) que minha mãe faz quando eu saio de casa. É uma sabatina pautada em dúvidas sem nexo, expressa com termos degradantes por parte dela ou tom de voz alto e expressões agressivas que preciso fazer para sair de casa sozinho.

 

Não importa o que se diga e o que se faça por agora, minha mãe acha que sempre vou fazer “safadagem” com alguma bicha (homossexual depravada e que todos percebem a sexualidade) doente que vai me deixar doente também, preferencialmente com AIDS como se fosse essa doença exclusiva aos e a todos homossexuais. E como se não bastasse, ao final me deixar falado, pesadelo para ela. Agora minha mãe deu para escolher até com quem, mesmo que heterossexual, posso assistir filmes que vão ter como temáticas a homossexualidade. Ela tem pavor que eu conte para pessoas como o meu melhor amigo e a mãe dele, que fecharão um ciclo de pessoas para quais acho conveniente contar.

 

Em função das atitudes da minha mãe e do meu comodismo em enfrentá-las eu fico em casa. Recuso muitos convites de pessoas daqui de Goiânia que poderiam terminar em amizades ou até em uma relação, se for para ser, por causa disso.

 

***

 

Falar de si mesmo é importante, pois é ouvimos opiniões sobre nós pautadas no que não percebemos. Também ajuda escrever para os outros tendo a própria vida como base da argumentação. É assim que olhamos para nós mesmos e entendemos melhor como comportamos, pensamos, sentimos, enfim.  Faço isso aqui no blog e faço isso na comunidade do Armário.

 

Na comunidade do Armário falei sobre minha relação com minha mãe, os amigos de lá foram certeiros com os conselhos, me disseram tudo o que eu sabia de certa forma, só não tinha me dado conta que servia para mim e que preciso muito usar. Agora falta por em prática, entender que eu não posso exigir da minha mãe o que ela não consegue. Eu sou o responsável por ter saído do meu armário, diante das pressões prós e contras, e sou também o responsável pelo o que vier agora tendo essa saída como pano de fundo.  

 

Cabe a eu agir da melhor maneira possível para melhorar a situação com a minha mãe.

 

Na última noite não fiquei até o horário de costume na internet, estava achando aquilo um tédio e morrendo de vontade de me ver ocupado novamente com minha faculdade. Assisti quatro finais de jornais, tentei dormir. O sono não veio e chegou o momento em que liguei meu mp4 que carreguei só com músicas acústicas.

 

Nisso tocou Amanhã ou Depois da banda gaúcha Nenhum de Nós. Rolou algumas lágrimas ao ouvi-la, pois a música fala bem da minha relação com a minha mãe com uma rica fidelidade. Amanhã ou Depois será a trilha sonora doravante da minha relação com minha mãe. Adoro as metáforas e os seus compositores, ainda mais em boas melodias.

Amanhã ou Depois


Deixamos pra depois uma conversa amiga
Que fosse para o bem, que fosse uma saí da
Deixamos pra depois a troca de carinho
Deixamos que a rotina fosse nosso caminho
Deixamos pra depois a busca de abrigo
Deixamos de nos ver fazendo algum sentido

Amanhã ou depois, tanto faz se depois
For nunca mais... nunca mais

Deixamos de sentir o que a gente sentia
Que trazia cor ao nosso dia a dia
Deixamos de dizer o que a gente dizia
Deixamos de levar em conta a alegria
Deixamos escapar por entre nossos dedos
A chance de manter unidas as nossas vidas

Amanhã ou depois, tanto faz se depois
For nunca mais... nunca mais


4 comentários:

Anônimo disse...

caro amigo,ainda ñ saí do armário,mas posso te dizer q o tempo é o melhor remédio para a ocasião,ele sempre cura,um dia tua mãe pode até ñ compreender tua situação mas vai te aceitar´,pois mãe é mãe,abraços do amigo da net.
Léo-São Luís

Rod Maciel disse...

Espero q o tempo seja um bom remédio para a sua mãe. E até lá, espero q vc possa conversar com ela numa boa, falando de vc, explicando o q vc pode ser, o q vc não é, e como a imagem q ela guarda é baseada em inverdades. Tomara q vcs se acertem, querido! E creio q o diálogo seja a melhor alternativa.

Abração! =)

Ronin disse...

Caro Well,acabei de ler seu relato e mexeu comigo essa dificuldade da sua relação com sua mãe no pós-saida de armário!Eu infelizmente nao sou apto a dar algum conselho nesse caso,pois eu nao sou assumido por aqui,e tenho muito medo que minha mae descobra.Eu nao tenho estrutura pra enfrentar um pós-armário!
E por saber exatamente quais qualidades eu NÃO tenho para enfrentar um pós-armário,com certeza,consigo vê-las em ti,logo vejo vc como capaz de superar essa fase ruim!Como vc é um guerreiro e um grande homem talvez por isso vc esteja decepcionado de que as coisas nao tenha acontecido como desejou!Mas além de um guerreiro e de um grande homem,vc é um ser humano,e por isso mesmo digo Well,nao se chateie por nao conseguir fazer algumas atitudes que vc pensou que teria quando chegasse esse momento de pós-saida de armário!
Saiba que tenho a certeza que vc superará tudo isso,mesmo vc talvez nao esteja conseguindo ver isso a longo prazo,neste exato momento!

Cara,desculpe pelas redundâncias do texto,e saiba que eu desejo tudo de bom para ti!!

E repito pela terceira vez:Vc é um guerreiro e um grande homem!!!!

Grande abraço!

Ronin

Simão disse...

Olá!
:D
Já havia lido seu relato lá na comunidade do armário e acho que realmente tem um tempo para sua mãe aceitar e torço de coração para que fique tudo bem entre vocês.
Precisando, estamos aí. ^^
A letra da música é bem bonita.
Fico feliz que tente fazer uma blogsfera GLBT e ficaria muito feliz de participar.

Abraços