sábado, 27 de março de 2010

Sobre o Poder

Eu pensei que eu me importava com alguém que provavelmente não lerá mais esse texto, e nem os próximos, inúteis e clichês como os anteriores, que eu escrever. Na verdade esse texto é uma preocupação comigo mesmo, é a manifestação da minha frustração e a forma como eu entendo tudo o que pude observar.

O que tiro de tudo o que vi é que a vida é sempre uma disputa de poder onde o medo e a ignorância e as ações que eles levam a nós fazermos, nada mais é do que o poder entrando em prática. Isso explica tudo, do surgimento ao desparecimento tão rápido aqui na web, até a auto segregação em relação a muitos, como eu, que a web levou a conhecer.

Se não estiver enganado (saber que Paulo Braccini, filosofo, vai ler isso aqui me deixa inseguro) Hegel disse, mais ou menos, que o poder do opressor reside na consciência do oprimido. E não que tenha alguém que seja uma pobre coitada por isso, mas existe uma oprimida conferindo aos opressores, sem entender quem sabe, o poder.

De qualquer maneira não posso julgar mal. Esse poder do opressor, na verdade dos opressores, está bem manifesto, inclusive de forma sutil. Vai desde a religião que alguém frequenta, das instituições sociais, dos humorísticos programas toscos e suas formas caricatas de representar a homossexualidade, até à mentalidade dos familiares, aos comentários desde já preconceituosos dos amigos e pessoas mais quistas, aos tão falados formadores de opinião.

Bem, existem os opressores, e têm entre eles aqueles que se tornam opressores sem saber que são opressores, simplesmente porque eles também têm medo e ignorância. Os familiares, amigos e afins, são exemplos disso.

E lá o Foucault, o Raffestin, diriam que tudo é uma disputa de poder e é mesmo. Esse blog aqui, o do Paulo, do Gato, do Wans, das moças do Nem Froid Explica, todos blogs relacionados aqui ao lado participam de várias disputas de poder, exceto um porque não existe mais e tomara seu dono não colocar uma corda no pescoço para também não existir mais, materialmente como preferir.

A maioria desses blogs aqui são sobre sexualidade, a sexualidade de seus escritores, e estão disputando para ver quem ganha, se a heteronormatividade ou a livre escolha das pessoas de serem o que elas sentem que são. Mesmo que seus donos não façam como eu algumas vezes faço, uma crítica contra alguém, contra alguma instituição ou algum comportamento. Quando eles estão falando de suas rotinas, de seus gostos enfins, estão disputando o poder.

Entendido que todos que gostamos, que lemos, que acreditamos, que simplesmente existem, agem e pensam, estão fazendo inúmeras disputas de poder, resta dizer que o que vi alguém fazendo é nada mais que uma disputa de poder onde eu creio que ela, que pensei estar ganhando tanto, perdeu, mas não só ela, eu também e muitos também.

Sinto derrotado porque nos assemelhamos, se alguém vence algo relativo a aquilo que nos assemelha, a vitória é indiretamente nossa, porque a demanda também é nossa. Consolidar alguém uma demanda igual a minha, é também consolidar a minha.

E tudo o que falou, nada do que foi dito é para mim estranho. Preferia eu que não fosse assim e torço para que ninguém enlouqueça, nem se mate, eu é que não vou. Mas acho que vai dar certo, dizem e eu acredito que o mundo não é mais como era antigamente. Uma hora as pessoas começam a rever a tudo, inclusive o conceito das mais banais das palavras que usam para pensar. Também resta torcer para que sejas feliz e se eu pudesse dar um conselho é o de pensar nos outros também, porque uma hora alguém vai pensar em si próprio, o que deveria ter feito desde o começo, e acabar prejudicando quem seja, quem sabe, inocente.

Bem que eu poderia colocar aqui uma música do Cartola, mas seria piegas e seria uma liçãozinha de moral que estaria fazendo ao autodenominar-me dono da verdade, o que não é minha intenção. Mas assistim A Vila, aquilo lá que mostra o poder.

P.S.: Acho que esse é pelo menos um dos melhores textos que já escrevi aqui, mesmo que confuso.

2 comentários:

Paulo Braccini disse...

Olha aqui "menino" ... claro que o Paulo Braccini iai ler, como leu ... e o que tem de mais isto ... qdo nos expomos temos que ser notados e eu gosto de quem se expõe principalmente qdo a pessoa tem algo de bom, de inteligente, de crítico para mostrar, como é o seu caso. Ao longo da história, em todas as correntes filosóficas, desde os pré-socráticos até a comtemporaneidade, esta questão do poder fica clara ... a vida é um jogo de poder, não há como nos isolar neste jogo ... mas, qdo nos deparamos com esta consciência, podemos trabalhar no sentido de minimizar seus efeitos, pelo menos aqueles que entendemos como mais nefastos ... podemos tentar ser menos opressores, menos manipuladores, menos donos de verdades absolutas etc etc etc, e com isto termos posturas e condutas de maior respeito para com os outros ... e o principal ... não permitir que sejamos manipulados ou, pelo menos, sermos o mínimo possível, e isto é fundamental para que possamos ser autênticos e termos nossa própria identidade, construída por nós mesmos ... vc acertou no alvo qdo afirmou que o poder e a opressão não estão nas mãos dos opressores e sim em nosso inconsciente, moldado, desde a tenra idade, para ser subjugado e oprimido ... isto é o fim em si mesmo? ... com certeza não ... cabe a cada um de nós reconhecer esta condição e superá-la, romper estes limites. Vc, um garoto ainda, é uma prova viva desta possibilidade ... vc pensa, vc age, vc luta, vc se reconhece em suas virtudes e em suas fragilidades. A grande maioria não é assim ... mas o que importa isto? Não vamos consertar o mundo do macro para o micro (Veja post do Gato ... acho q foi o último dele) ... mas estamos contribuindo para a construção de um novo SER, qdo buscamos "reconstruir-nos" em um processo de mudança que vai em sentido inverso, ou seja, do micro para o macro ... assim deve ser ... cada um se apercebendo enquanto SER e buscando se construir como tal, de forma crítica. Bem, parando por aqui ... já comecei a devagar e sinto que começo a perder o foco ... tentei pelo menos me fazer entender e mostrar que o Wel é um dos personagens mais singulares neste universo que a virtualidade me proporcionou conhecer e admirar ...

abração amigo

bjux

;-)

Mulher Asterísco disse...

WB, acho que poder é uma palavra com multiplas funcionalidades. E tem um lado disto que é viciante e perigoso, por isso o poder precisa de limites. Sem culpa, penso que sim, eu luto por poder...poder fazer aquilo que quero...mas reconheço que ainda assim alguém tem que por algum limite...

beijos