quarta-feira, 21 de julho de 2010

Um pouco de auto crítica obssessiva destrutiva.

Me vejo como alguém medíocre e acho mediocridade algo... medíocre. Penso que se eu lesse mais um pouco eu evoluiria bastante. No entanto não leio o quanto e o que eu acho que deveria ler, no caso livros. Não leio não é por preguiça, ou é? Será preguiça se falta de iniciativa for preguiça. Nesse tempo tenho me contentado somente com os livros pedidos ou sugeridos pelo curso universitário. Creio que meu problema em não ler o quanto eu deveria ler seja também a falta de costume, nunca pensei "hoje vou ao cinema e saindo de lá vou passar em uma livraria". Para ser bem sincero quando eu chego em uma livraria nem sei bem o que fazer, suponho que seja igual uma vídeo-locadora, eu entro, vou olhando os livros, divididos por sessão, e compro. Na verdade eu nem sei bem ao certo quais são os temas que me agradam. Sei que gosto de História, Sociologia, Economia, Política, Geografia (oh) e tenho boas lembranças da literatura regional do Ensino Médio.

Eu devo ler mais, mas por onde começarei não sei bem ao certo, acho que por enquanto os sobre urbanismo, cidades, movimentos sociais e disputa de poder, afinal de contas a monografia que era para eu começar com ela o ano passado vem aí. Tenho a expectativa e não sei até que ponto isso é uma fantasia, mas penso que a partir do dia em que eu ler mais poderei vir aqui e falar melhor sobre a união cívil na Argentina.

Bem é isso. Quando vocês lerem isso eu estarei em Minas Gerais, sem internet, sem telefone celular e wap, já que ficarei na zona rural. Então o Blogger irá postar esse texto automáticamente enquanto me admiro com os talvegues das serras do Alto Paranaíba, olho os ipês amarelos que, não sei porque motivo, floresce um mês antes em relação ao meu estado. Aproveitarei bastante a viagem, apesar da minha da constante sessão de solidão e desperdício, talvez se eu me esforçar mais arrume amigos quando voltar dessa viagem. Mas mesmo assim a gente que mora aqui vai me alegrar um pouco e assim é bom que me sentirei dentro da música do Pato Fu que coloco abaixo.

Espero chegar são e salvo em casa, já que dirigirei sozinho quase 700 Km, sendo 500 em pista simples sem a supervisão de um adulto, com os comentários da minha dramática e leiga matriarca. Kkkk Brincadeira, mas que eu tenho medo de sofrer um acidente, ah isso eu tenho.

Bem, vejam o vídeo:




Simplicidade
Pato Fu
Composição: John

Vai diminuindo a cidade
Vai aumentando a simpatia
Quanto menor a casinha
Mais sincero o bom dia

Mais mole a cama em que durmo
Mais duro o chão que eu piso
Tem água limpa na pia
Tem dente a mais no sorriso

Busquei felicidade
Encontrei foi Maria
Ela, pinga e farinha
E eu sentindo alegria

Café tá quente no fogo
Barriga não tá vazia
Quanto mais simplicidade
Melhor o nascer do dia

3 comentários:

Paulo Braccini disse...

bom proveito amigo e um descanso merecido ... ando com vontade de me isolar tb por uns dias em um recanto assim sem acesso a nada ...

te cuida e tudo ficará bem ...

seja bem vindo às Minas Gerais ...

bjux

;-)

Lobo Cinzento disse...

Existem cenários que quando vistos ao vivo falam muito mais que muitos livros...

Beijos Well!

garoto cientista disse...

Olá meninu, parece que compartilhamos um prazer? ler? ou não? isso é realmente algo bem pessoal, o tema, o livro, a espessura, o tipo de letra, nacional ou internacional, ficção ou não. Mas uma coisa é certa, ler é muito bom. abraços.