quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Passando vergonha no primeiro dia da natação

Mês passado o sindicato dos professores, ao qual eu estou filiado orgulhosamente, só que não, fez um convênio com Serviço Social da Industria, dando direito a nós, pobres professores explorados pela mais valia do Estado o acesso aos equipamentos e serviços do SESI-GO. Foi até bom, gostei muito! Pensei vou finalmente virar um nadador, principalmente porque por 45 mensais eu finalmente poderei aprender a nadar.

Fui lá e me inscrevi no curso de natação. Cheguei atrasado, problemas no sistema de informática na hora de fazer matrícula, e após pedir informações aos seguranças novatos. Disseram para eu falar com a mulher maiô que dava aula para as crianças, ela saberia me indicar para onde eu deveria ir. Ótimo!

Meio tímido e com uma cara de Suellen antes de cantar "Para a nossa alegria" comecei a fazer as perguntas à professora. Onde é o curso de natação? Aqui, junto com essas crianças? Meu nível, ele é tipo não sei nadar? Junto com as crianças? Ah! Talvez eu seja arrogante da minha parte, mas minha cara rachou. Ah! As crianças.

Ótimo, fui até as cadeiras de descanso para despir meu corpo alvo, adiposo e sedentário. Nessas horas a gente meio que anda olhando para o chão. Mas quando ergui a cabeça eu vi ali sentado, só de boa, um salva-vidas, com aquele uniforme vermelho sui generis, óculos escuros, corpo magro e definido. Minha cara apenas rachou. Como posso impressionar alguém se estou abaixo na escala e ele pode inclusive me salvar? O que nem seria de todo mal. Ali eu era apenas o aluno, não só, o aluno que não sabia nadar, o aluno adulto que não sabia nadar e que estava com as crianças.

Professora pergunta quando vou entrar de fato na piscina, tiro a bermuda e a camisa, ela me manda entrar na ducha. Tempo seco de quase deserto em Goiânia, água gelada da porra, senti meu pinto entrando dentro do meu corpo, a respiração trepidando e devo ter ficado com a boca roxa. Como um vira-latas molhado na chuva sorridente perguntei à ela, o que eu faço agora.

Quando ela mandou eu entrar na piscina eu fiquei ali pensando como deveria fazer, vai que tem uma técnica de repente e eu não sei. Mas entrei e aprendi que inspira pela boca e solta pelo nariz. Gente, os pneumologistas sabem que vocês ensinam isso? E o governo que não faz nada? Tá, por um momento ela pensou que eu tivesse engolido água, enquanto eu pensei que eu tivesse escarrado na água e gastei meu tempo explicando essa diferença.

Ótimo, ela ensina eu a bater os pés. Chega lá, me dá a pranchinha de EVA, manda eu bater os pés, segurar na prancha e erguer o bunda. Mas de que maneiras eu consigo erguer a bunda. E lá vai o Well, minutos a minutos descobrindo que seu corpo gordo boia na água, mas que sair do lugar nela é impossível. Não aprendo a levantar a bunda, devo ser um péssimo passivo. 

Logo vem aquele pirralho, não, é só você se jogar e lá vai ele feito um peixe na água. Gostaria de ver aquele salva-vidas resgatando um afogado, não é eu, é claro! 

Quando eu recebia atenção da professora, ela mandava eu erguer a bunda e bater os pés. Só sei que ao final da aula, depois de encarar o menino lourinho de 17 anos e que nadava, eu estava morto de vergonha, mas a pernas estavam latejando. Pensei, que talvez não fosse ruim assim, eu emagreceria e teria pernas duras logo logo.

Indo para o vestiário, coisa que eu sempre evitei, lá dentro um monte de homens, ninguém bonito, mas de cueca. Apenas um que tirou a sua e mostrou a rola. Senti aquele frio na barriga e uma certa vergonha. Em algumas cuecas uns volumes enormes. Outras precisando ser trocadas, estavam bem velhas. Unsexy. Todo mundo se interagindo e falando sobre sei lá o que. Não quero fazer trocas de olhares com ninguém ali.

Depois ficar nu e ali na frente de todo mundo, tomei um banho para tirar o cloro e depois, quando eu ia embora vi na outra piscina os adultos, sarados, gostosos, de sunga na outra turma. Pensei, um dia estarei no meio deles. Bateu aquela carência, a vontade de um carinho e de fazer sexo com alguém. Gente sem roupa sempre me excita. 

No carro, quentinho dentro dele, ligo o motor, vejo o segurança saindo da secretaria, o som liga! Só que a pasta de rock havia acabado e ele entrou na mesma hora na pasta de disco e bem alto começou Dancing Queen. 

Enfim, odeio quando até as máquinas praticam bullying comigo. 

Mas eu gostei de tudo hoje. Fiquei tipo Weslian Roriz, apesar de severamente com as crianças, achei aquele clube lindo, todo azul, igual as cores do partido dela.

Acho que aprenderei a nadar logo logo e logo logo começarei a ficar bombado também. Deus é mas!

Bem, é isso...

Peixos, me liga!

3 comentários:

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

OMG! Há muito tempo não ria tanto ... acho q com seus posts, sempre sérios, sisudos e crítico, esta foi a primeira vez q quase mijei aqui com o Wel ...

Isto então foi o máximo: "Enfim, odeio quando até as máquinas praticam bullying comigo. " ... "Mas de que maneiras eu consigo erguer a bunda. E lá vai o Well, minutos a minutos descobrindo que seu corpo gordo boia na água, mas que sair do lugar nela é impossível. Não aprendo a levantar a bunda, devo ser um péssimo passivo. " Isto definitivamente não tem preço ... kkkkkkkkkkkk

peixos

FOXX disse...

ah, qrido, é assim mesmo. pior q nem tenho dica pra te dar, aprendi a nadar muito pequeno, menino de praia aprende cedo né?, não sei como aprendi a levantar a bunda. hehehe

Adelande Guimaraes disse...

Essa coisa de levantar bunda!
Nunca tinha ouvido (ou lido)!
kkkkkkkkkkkkkkkkk