quarta-feira, 26 de maio de 2010

Minha mãe e minhas gorduras

Eu no meu quarto sem camisa, minha mãe entra, se senta a cama, me olha de cima até embaixo e diz:

- Êhhh, mas você está gordo!

Pronta e rispidamente eu respondo:

- Não precisa falar, eu já sei que eu estou gordo.

- Porque você me trata mal se eu te trato bem? [/nem pensei na música de Pedro Luís e a Parede] Que mal tem eu dizer que você está gordo?

- Mal? Na verdade que importância tem eu saber que você me acha gordo. Eu sei que eu estou gordo e não gosto nenhum pouco disso. Você falar que eu estou gordo não vai ajudar em nada para resolver meu problema.

Então começa as lamúrias da minha, ela diz que eu sou ríspido, grosso com ela, que meu primo não trata minha tia assim, que a fulana só anda abraçada à mãe dela, que coisa e tal e tal e coisa, que é assim assado e zaz. Ela ficou magoada, a voz embargada.

Tudo bem que eu tenho engordado, isso tem me deprimido, abaixado mais minha autoestima e feito me sentir um Shrek, que o que a minha mãe tem a me dizer ofende de certa maneira e não tem compromisso algum em me ajudar, que ela é adepta de um dramalhão mexicano, mas o que ela disse não deixa de ser verdadeiro. Eu sou muito ríspido com ela. Porém não sei porque respondo de forma tão raivosa as perguntas idiotas que ela me faz, a destrato com regularidade, a minha crítica com relação a ela é mais acirrada, enfim.

Ela se sente desprezada, apesar que eu não a desprezo e de forma alguma ela mereça meu jeito grosseirão. Pior que é só com ela que eu sou assim. Mas eu a amo muito mesmo e deveria dizer isso a ela e não escrever aqui. Mas eu a amo, sinto falta dela e me arrepio quando penso saber que um dia ela não vai voltar. Contudo meu amor é uma discreta rosa branca com espinhos [/lembrei do texto do Lobo Cinzento].

Não que eu tenha menos amor para com a minha mãe - e acho errado medir amor ou pelo menos medir esse amor fazer escala e tudo mais. A questão é que não aprendi a lidar com a minha mãe, com como ela entende o que é o amor é manifestado e não tenho me esforçado para tal.

Me falta mais policiamente e reflexão. Tempo é necessário? Talvez, mas enquanto isso tenho destratado minha mãe e ela se ferido comigo. O meu tempo vai acabando, deveria eu aproveitar enquanto, ainda talvez, tenho o amor dela e assim não a magoasse mais e nem me deixasse também chateado.

Estou zangado comigo e nem ao luxo de me chamar de filho da puta agora eu posso, pois na verdade sou mesmo é um filho de chocadeira, gordo com meus parcos 167cm que mal estão servindo em uma calça 42, que a toda vez que me sento tem aquela barriga se projetando a frente, perdendo eu a elegância e a atraência sexual.

P.S.: Acho que eu fui o único leitor da postagem do Braccini sobre a gordura e não achei a menor graça.

6 comentários:

Edu disse...

Pior que a gente faz isso mesmo, de destratar quem tá mais perto e que mais nos ama - talvez por termos "certeza" de que continuarão nos amando e/ou não revidarão. Tb tô tentando aprender. E ser gordo não é ruim! Eu só gosto de gordinhos (os/ões). Tem gosto pra tudo neste mundo, não encuque demais!

Paulo Braccini disse...

é isto mesmo como o Edu falou ... para de se encucar com estas coisas ... o fato de ser ou não ser gordo não tira o charme de ninguém ... enquanto vc se destratar assim, aí sim vc se perde por si mesmo ...
qto a mamys eu tb sofro desta síndrome ... não me pergunte pq e nem como resolver isto ... sou apaixonado com ela e sei q ela é por mim ... mas eita relação difícil ... cuido dela hoje como se fosse uma filha tamanho o cuidado que tenho com ela ... mas se abre a boca ... coisa de louco mesmo ...

bjux queridão

nada de baixa estima

;-)

Visão disse...

Então, mesmo que vc esteja gordo, o que eu não achei tanto no vídeo de LIBRAS - já falei qeu fui intérprete? -, mas talvez um pouco acima.
Mas se sua mãe falou e vc se ofendeu, talvez pq vc não esteja contente com seu estado. Então mude. E peça desculpas a sua mãe, embora eu acho que quem fala o que quer, ouvirá o que não quer. Mas sempre eh bom contar até 1000 antes de falar algo. Bjs

Mystica disse...

Já aconteceu uma situação parecida aqui em casa. Minha mãe "me destratava muito" por causa do excesso de massa adiposa, mesmo sabendo que eu tinha ganho tal massa por causa do meu tratamento contra a asma.
De tão magoada que eu ficava, comecei a tentar emagrecer. Usei a raiva momentanea que eu tava sentindo por ela pra mudar de atitude. Seria bom vc mudar também - pro seu bem, principalmente.

Beijos, querido. Cuide-se.

Lobo Cinzento disse...

Hahaha, os espinhos traumatizaram foi? XD

Cada um com sua relação com seus parentes. Assim como não existe escala de amor, não existe escala nenhuma que determine que o grau de parentesco exija um tratamento melhor ou pior. cada um sabe os pais que tem. E age de acordo com que acha que tem que agir. Mas as mães sempre sabem que as amamos. Mesmo que a gente nunca aja e nunca diga. Elas tem sexto sentido pressas coisas...

Beijos Well!

Pimenta disse...

Encare com incompatibilidade de manifestação amorosa.
Combine códigos com ela,tipo, quando você está sem saco,combinem uma frase para que ela entenda que se falar muito, vem patada!
Uma palavra que ninguém mais conheça, que significará te amo, só para ela.
As vezes as pessaos não se comunicam bem, é assim mesmo.Tem é que tentar algo prático, para não ficar com um novelo na garganta.
Metida eu, ui, que saco!
Nem sei como parei aqui, e já vou me metendo.
bjo,viu como mãe é um saco mesmo(mesmo sendo a dos outros)?