segunda-feira, 18 de março de 2013

Quando um aluno me matou


Hoje recebi a notícia de que uma aluna da Educação de Jovens e Adultos morreu. A notícia me deixou despontado de verdade. Tenho simpatia pela EJA não só pelo fato de os alunos serem adultos, de pouco ser necessário chamar a atenção a respeito da disciplina deles, porque no geral eles se interessam pelo o que eu tenho a dizer, não tenho que tentar explicar para eles qual é a importância daquilo, mas também pelas suas trajetórias de vida. Muito estão lá às custas de relevantes sacrifícios pessoais, encaram a volta à escola como uma oportunidade de se tornarem pessoas melhores do que eles são, potencializar novos sonhos, ser o que um dia nunca foram e ou que muito cedo foi lhes tirado a oportunidade. Muitos chegam a minha aula pensando que concluído o 4º Semestre terão concluído a sua formação acadêmica, porém esforçamos para mostrar a muitos que aquilo é só o começo se eles quiserem mais.
Por isso me comovo, me apego e torço por pessoas que se parecem com meus pais, pela idade e pela vivencia, por pessoas que aos mais de 50 anos vida carregam a família nas costas, suporta violência familiar, doenças e destrato da saúde pública, ônibus lotado, faz uma rotina tripla, estuda e ainda por cima consegue notas e desempenho exemplares. Porém, saber que a pessoa morreu, mesmo que de maneira não muito dolorosa - "ela dormiu e não acordou mais" - é frustrante. Investimos neles os recursos públicos, mas também nossos anseios de professor e pessoa humana. Tudo o que a gente mais quer então é que alunos assim se deem bem, recebem uma recompensa da vida por seus esforços, ganhem da vida a outra face da moeda, a de que eles podem ir além do que já são e serem felizes. Mas vem a morte, com toda sua intransigência e frustram suas vidas e a gente também, por que não?
 Dona Cleide Moura, a senhora me ensinou muito mais coisas sobre a vida do que eu te ensinei sobre Geografia. Parabéns por ter lutado como uma guerreira! Lembrarei da senhora, seu semblante, sua feição humilde mas esforçada por toda minha vida.

2 comentários:

FOXX disse...

eu tb tinha o mesmo carinho pelo EJA, pelos mesmos motivos que vc.

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

eu tenho muito carinho por projetos deste tipo ... ainda lido com algo do tipo por aqui ...